“Panama papers”: Protestos pela demissão de David Cameron

Article @ Esquerda.Net, published 9 April 2016

Centenas de manifestantes exigiram este sábado a demissão do primeiro ministro britânico David Cameron com protestos em Londres, Manchester e Glasgow.

Se bem que organizadas nas últimas 24 horas, as manifestações contaram com a presença de várias pessoas, na sua maioria jovens revoltados com a duplicidade dos conservadores que se diziam até há pouco tempo indiscutivelmente contra a evasão fiscal.

Entre os manifestantes encontravam-se algumas celebridades, inclusivamente a cantora pop Lily Allen e o músico Jarvis Cocker.

Lily Douglas veio até à residência oficial do primeiro ministro em Downing Street com amigas de liceu.

“Estamos aqui porque queremos o David Cameron fora do governo”, a jovem contou ao Esquerda.net.

“É um péssimo primeiro ministro, que não ouve o seu eleitorado, que não mostra qualquer respeito pela classe trabalhadora.

“Representa o 1%, não os 99%, representa as pessoas de classe alta, que têm duas casas no valor de milhões de libras – como os banqueiros que ainda recebem gratificações todos os anos.

“Mas nós temos cortes nos serviços, cortes na educação, cortes nos postos de trabalho, cortes nos serviços sociais para os deficientes, é uma vida horrível de se viver.

“Chega – queremos alguém que nos respeite e que nos represente.”

Os protestos tomaram lugar após Cameron ter admitido publicamente ter beneficiado de um dos fundos descobertos entre os “Panama papers”.

As ações do primeiro ministro na Blairmore Holdings, originalmente criada pelo pai Ian Cameron, foram vendidas em janeiro de 2010, somando um total de £31,500.

Foram, no entanto, precisos três dias de pressão incessante por parte do público e dos meios de comunicação para David Cameron se pronunciar sobre o assunto.

O protesto em Londres tomou os Conservadores de sobressalto, quando os manifestantes se reuniram à frente do hotel onde Cameron se encontrava sábado de manhã.

Um carro alegadamente transportando o primeiro ministro foi intercetado por vários dos participantes e acossado por vários minutos até à intervenção de agentes da polícia.

A manifestação manteve-se móvel, voltando a Downing Street uma hora depois e criando o bloqueio parcial de umas das artérias principais da capital britânica.

Entre os manifestantes encontravam-se também vários portugueses residentes em Londres.

João Pinto, estudante de engenharia de som, de 23 anos, disse ter-se juntado ao protesto porque, tal como em Portugal, estava “farto de um novo escândalo todos os dias sobre um político que não dá o exemplo.”

Acrescentou: “Tal como se tem ouvido aqui, toda a gente paga impostos, toda a gente tenta dar o exemplo, tenta subsidiar um Estado Social que está a ser dizimado por este partido.

“Venho de um país no qual escândalos do género acontecem todos os dias e por isso simpatizo plenamente com o que se passa aqui hoje.”

O próprio primeiro ministro admitiu no sábado que a semana não tinha sido boa.

O caso foi referido para investigação por parte de uma comissão parlamentar pelo deputado trabalhista John Mann.

Consequentemente, é esperado que David Cameron venha a público com as suas declarações fiscais dos últimos sete anos, tal como prometido pelo primeiro ministro durante a campanha eleitoral de 2010.

Advertisements